9.25.2007

QuintEssencia!


Sejamos inteligentes, mas com sabedoria, fortes com doçura, verdadeiramente bons no mais elevado grau de pureza que nossos sentidos nos permitirem. Parece difícil não? O que na realidade fazemos sempre parece ter algum tipo de intenção oculta, ou mesmo disfarçada de ingenuidade e modéstia. Será que, conseguiríamos realmente usar de nossas melhores habilidades com verdadeira intenção, desprovida de ego ou qualquer mácula? Seríamos capazes de reconhecer da mesma forma o que existe de melhor no coração humano passando por cima de todos os defeitos, identificações e todas as coisas que personalizam nossa opinião?
Reconhecer no verdadeiro âmago do pensamento mais piedoso a bondade e destinar assim nossas ações com a mesma retidão, extrair de dentro de nós o que há de melhor, vencer nosso ponto de vista e julgamento para simplesmente servir a um propósito maior, encontrar a quintessência do ser.
Quando fazemos um julgamento sobre uma pessoa, sobre sua personalidade, baseamos nossas críticas ou identificação, nas coisas que nos agradam e nas que nos agridem, mas esquecemos que o indivíduo, não é só o que agrada ou o que agride, mas é por inteiro todas as coisas, é integralmente tudo, mas em nossa visão separamos o que nos agrada e desagrada. Mesmo que em verdade o indivíduo não seja nem uma coisa, nem outra, seja apenas uma projeção do que sentimos, ainda assim, parcelamos, dividimos o que queremos e o que não queremos. Não nos fazemos capazes de ir além. Ver somente o que realmente está sendo ignorado e menosprezado; a essência. Sabemos que ela está lá, mas o que mais nos importa é o que fazemos força para criar como obstáculo, àquilo que nos irrita, o que nos faz mal, ou mesmo nos ilude.
Atrás de cada palavra está à verdade. Mesmo a mentira, se faz mentira por existir a verdade, mesmo o medo, se faz medo por querer ocultar o entendimento do que é puro, pois a inexistência é oposto da existência. O que vemos são distorções, o que somos, quer dizer, o como nos permitimos estar, é só um reflexo distorcido do que realmente somos. Em todas as coisas, como sentimentos, pensamentos, palavras e sentidos, em todas as coisas há uma verdade latente que pode e deve ser buscadas, desperta, usada e ampliada. Nenhum sentimento puramente emocional é suficiente ou completo, nenhum pensamento refletido de qualquer circunstância é original, nada é ou está totalmente completo até que seja quebrado.
O que existe entre um número e outro, numa reta, são infinitas frações, assim, esta realidade é só uma das infinitas possibilidades no caminho que vai do nascer ao despertar. A essência fundamental de nossa existência é compreender essas possibilidades e não se ater somente a reta dos números. A essência dos pensamentos, é o poder de pensar, criar e usá-los, e não apenas se conformar com os pensamentos e ser usado por eles. Assim, o amor tem o poder de perdoar, ao invés de apenas querermos senti-lo ou nos conformarmos com a nossa forma de amar. Podemos transformar tudo que temos e tudo que somos em algo muito especial. Vale a pena cada dia, cada instante de desafio onde podemos por à prova nossas melhores capacidades.
Ouvimos falar muitas vezes sobre o sentido da vida, sobre buscar ao longo de toda vida e nunca entender, mas o sentido da vida, do crescer é o sentido que nós mesmos damos. Somos nós que oferecemos um propósito prático, verdadeiro e provido de substância, ou não conseguiremos realmente compreender o sentido maior que só é revelado aos que cursam ao menos metade do caminho oferecendo as respostas. A essência da verdade se manifesta através de linguagens que se encontram, a nossa em nosso proceder reto e a de Deus que vêm de encontro ao nosso proceder.
Cada momento é o momento de permitir a descoberta, se realmente desejamos ser felizes. E lembrar-se, felicidade se conquista, ela não acontece como um momento fugaz, que passa. Esses, são apenas momentos de alegria momentânea, mas que sem a paz alimentada pelo amor, logo se desvanece. Cada momento é um treinamento válido para sentir a substância de que é feita a verdade, termos todas as condições, todos os instrumentos necessários para encontrar e demonstrar o como, na prática, pois a verdade é prática. Do que realmente somos feitos, e como perceberemos que só compreendemos nossa essência se, buscarmos na verdade, que está além das explicações casuais ou elementares e sobre nossos sentidos emocionais, é o que encontraremos no fim da reta..
Façamos valer a pena algo que seja bom, que tenha em si os elementos da paz, do amor, da caridade verdadeira, do conhecimento sem fronteiras ou dogmas, do espírito desatrelado das crenças justificadas e a razão irracional, àquela que apenas procura se manter no controle da situação.
Há uma capacidade absoluta de se fazer o bem, de se manter justo , de estar na paz e fazer a paz, de amar mais do que se é amado e de usar a inteligência com integridade e sabedoria puras. Mas pra tudo isso, é preciso vencer a razão de se estar certo ou achar-se sabedor de qualquer coisa sobre qualquer um, pois pouco ou nada a sabemos sobre nós mesmos. Assim, descobriremos mais sobre nós e sobre o outro, pois o que falará mais alto sempre será a essência, e mais do que isso, a substância da qual nossa essência é feita. Ao nos atrevermos a rasgar os véus das conveniências que criamos e acreditamos, lá atrás, bem lá atrás dos véus, veremos nossa verdadeira imagem brilhando como pura essência divina.


Com amor e bênçãos,
M.Bhagavan

9.21.2007

Wei Wu Wei!

Wei Wu Wei
No mundo da objetividade, ação é muito importante. Tem-se que ser ativo porque só a ação é pertinente no mundo das coisas. Se você fizer algo terá mais coisas; só fazendo algo é que se pode mudar no mundo da objetividade. Já no mundo da subjetividade. .. inação. Fazer não é importante, mas sentir é.

A pessoa subjetiva é mais sonolenta, é sonhadora, preguiçosa; a pessoa objetiva é ativa, obcecada pela ação. A pessoa objetiva sempre precisa fazer isto ou aquilo, ela não pode sentar-se só, não pode descansar. Pode dormir - mas acordando, tem que fazer algo. A pessoa subjetiva é inativa. É muito difícil ela passar para a ação.

A pessoa espiritualizada é a reunião dos opostos: ação em inação, inação em ação. Ela faz coisas, mas faz de tal maneira que nunca se torna um fazedor. Ela permanece um veículo de Deus, uma passagem - mesmo se estiver fazendo algo, não está fazendo... O fazer dela é muito brincalhão, não há nenhuma tensão nisto, nenhuma ansiedade, nenhuma obsessão. E até mesmo quando é inativa, não é pesada; mesmo sentada, ou deitada descansando, está cheia de energia. Ela não é letárgica - tem uma energia radiante. Porque os opostos encontraram- se nela numa síntese superior, ela pode agir como se estivesse num estado de inação e, ainda assim, você pode sentir a energia, você pode sentir uma vibração de tremenda atividade ao redor de seu ser. Onde quer que ela se mova, traz vida às pessoas. Só pela sua presença as pessoas mortas ficam vivas; só pelo seu toque as pessoas mortas voltam à vida.

Isto é wei wu wei: não movendo uma única polegada você chegou. Aqueles que lhe dão metas são seus inimigos. Esses que lhe recomendam tornar-se algo, e como, são os envenenadores. O real mestre simplesmente diz,"não há nada em que se tornar. Você já é desde sempre. Deixe de correr atrás de sombras. Sente-se silenciosamente e SEJA." Sentando silenciosamente, não fazendo nada, a primavera vem e a grama cresce por si só.

Atividade é SANSARA, atividade é o mundo; e quando as pessoas de Zen disserem "abandone o mundo, eles não querem dizer "deixe sua casa, deixe a sociedade", eles querem dizer "abandonem os apelos para agir", “abandonem os apegos”. Até mesmo se você tiver que fazer algo, faça mui passivamente. Se você está caminhando na rua faça-o passivamente. Dentro, o zazen continua, dentro você permanece sentado, movendo-se só no exterior. Se você estiver comendo, coma, mas dentro você permanece sentado. Pouco a pouco essa postura interna é atingida - em que você pode fazer coisas sem atividade. Uma vez aprendido isto, você pode fazer coisas e não será uma perturbação. Mas primeiro a pessoa tem que chegar às raízes, num centramento profundo.

Relaxar não é uma questão simples; é um dos mais complexos fenômenos, porque tudo aquilo que nos ensinaram foi tensão, ansiedade, angústia. Uma testemunha não é uma espectadora. Então o que é uma testemunha? Uma testemunha é aquele que mesmo participando permanece alerta. Uma testemunha está em um estado de WEI WU WEI.
Uma testemunha não é aquele que escapou da vida. Experimente caminhando na rua: lembre-se que você é uma consciência. O caminhar continua, mas uma coisa nova é adicionada, uma riqueza nova. Você terá que aprender - é uma ação negativa. É uma das coisas mais significantes a serem aprendidas. Sabemos fazer coisas; este é o modo positivo, agressivo, masculino. Há outro enfoque, mais sutil, mais gracioso, mais feminino: estar em um estado de deixar-se levar, estar em um estado de rendição, e permitir a existência fluir por você. Isto é o fazer através do não-fazer. De certo modo é negativo, porque você não está fazendo nada. Significa permitir que as coisas aconteçam. Não faça nada, permita acontecer. E este é o caminho do coração.

O caminho do coração significa o caminho do amor. Você pode fazer o amor? É impossível fazer o amor. Você pode estar apaixonado, mas você não pode fazer o amor. Mas usamos expressões, como 'fazendo amor', que tolice! Como você pode fazer o amor? Quando amor é, você não é. Quando amor acontecer, o manipulador, o fazedor desaparece. O amor não permite nenhuma manipulação de sua parte. Acontece. Acontece repentinamente, inesperadamente. É um presente. Da mesma maneira que vida é um presente, amor é um presente.

Estes são momentos raros, quando não há nenhuma ação e nenhuma inação, e você está imóvel. Não que você fique letárgico. Você tem energia, mas a energia não vai a nenhum lugar porque não há nenhum objetivo. A energia simplesmente está lá como um reservatório que sobe cada vez mais alto, mais e mais. Você está a ponto de explodir em algo absolutamente novo do qual você nem imagina. Você está à beira de um modo novo de vida: ação em inação. Então uma atividade nova começa na qual você não é o ator, no qual você é só um veículo, uma passagem.

Para ir até o seu centro, a pessoa precisa ser feminina, passiva, inativa, não-fazedor, não interferir, WEI WU WEI, meditativa; é preciso meditação, relaxamento, não concentração. A pessoa tem que relaxar-se completa e totalmente. Quando você não está fazendo nada você está no seu centro (*); quando você está fazendo algo você saiu dele. Quando você fez muito, você afastou-se demais de seu centro. Chegar mais perto dele significa que você está abandonando todas as atividades, você está aprendendo a ser inativo, você está aprendendo a ser um não-fazedor.

Primeiro fique feminino, depois masculino. Primeiro seja passivo, depois introduza a ação. E quando ação vier da inação, floresce a beatitude; algo do além. Mas a inação tem que ser aprendida primeiro e depois a ação. Então esta ação não é, de jeito nenhum, agressiva, e é isto que a faz bela, graciosa, meditativa. E quando ambos são equilibrados a verdade acontece e a verdade liberta.

O conceito taoista do wu-wei tem que ser lembrado por todo terapeuta - não interferir. Ele só abre as possibilidades, torna as oportunidades disponíveis. Apenas abre a porta.
(Osho) (tradução livre de prashanto)

9.19.2007

Horóscopo do Sangue!

HORÓSCOPO DO SANGUE (KETSUEKI gATÁ)

No Japão perguntar o tipo sangüíneo de uma pessoa é tão comum quanto perguntar qual é o seu signo. Os japoneses acreditam que ter sangue A, B, O ou AB tem tudo a ver com a personalidade da pessoa.
Quer saber como o Ketsueki Gatá Uranai, o Horóscopo do Sangue, funciona? Então, clique no seu tipo sangüíneo, confira as características de sua personalidade e veja como você se relaciona com os outros tipos.

Sangue A
As pessoas de sangue tipo A são: meticulosas, reservadas, cheias de preocupações, indecisas, cautelosas e altruístas.
Elas gostam das coisas organizadas e consideram que respeitar as leis e regras é essencial para a sociedade.
São modestas e não gostam de exageros. Costumam se interessar pelas coisas mais quietas, delicadas e sutis. Não gostam muito de surpresas e mudanças. E, por serem muito “certinhas”, às vezes têm necessidade de extravasar através de hobbies.
Em geral, são muito desconfiadas e fechadas. Preferem ter poucos amigos, mas aos quais são totalmente fiéis. Acham que têm o dever de servir a humanidade e sentem mais prazer fazendo coisas pela sociedade do que para si. Colocam as “necessidades” sociais à frente de suas vontades.
Como são perfeccionistas, se dão bem em trabalhos que exigem atenção.
Quando estão apaixonadas, são completamente dedicadas ao seu amor.
Sangue B
As pessoas de sangue tipo B são otimistas, independentes, amorosas, sensíveis, criativas, cuidadosas e compreensivas.
Elas valorizam acima de tudo a liberdade. Dão mais importância ao pragmatismo e à individualidade e deixam um pouco de lado a ordem e as regras sociais. Odeiam ser controladas.
São intelectuais, gostam de ciência e estão sempre em busca de novas respostas.
Muitas vezes, não separam diversão e trabalho. Ou seja, precisam gostar muito do que fazem e, quando encontram um trabalho que envolva seus interesses, se dedicam com fervor. Caso contrário...
São sensíveis e compreensivas com as idéias e a personalidade das outras pessoas. Também são emocionalmente instáveis, independentemente do que acontece à sua volta. Seu humor se modifica de acordo com o que acontece em sua cabeça

Sangue AB
Pessoas de sangue tipo AB são racionais, diplomáticas, organizadas e honestas.
Estão sempre travando um diálogo interior, pois têm dentro de si um pouco das pessoas tipo A e um pouco do tipo B. Para balancear as duas perspectivas, elas possuem um lado racional muito forte, que pesa todos os fatores antes de tomar decisões. Também são muito organizadas e conseguem fazer várias coisas ao mesmo tempo.
Valorizam muito a lógica e a palavra e têm um olhar muito bom para apreender o caráter das pessoas. Por conta disso, às vezes são taxadas de não-amigáveis e orgulhosas – mas é só porque sabem em quem podem ou não confiar. Apesar disso, é o tipo sanguíneo que se dá bem com todos os outros. Gosta de agir com justiça e evitar confusão.

Sangue O
As pessoas tipo O são tranqüilas, pacientes, fortes, boas nos esportes, determinadas, autoconfiantes e sabem controlar suas emoções.
Geralmente, são emocionalmente estáveis. Porém, quando pressionadas além do limite, perdem o controle.
Pode-se dizer que o tipo O é a mais pura manifestação da natureza humana. As pessoas que possuem este tipo de sangüineo têm muita ambição por poder e prosperidade. Também gostam de liderança e lutam por ela.
São pessoas que cultivam hábitos, gostam de manter a mesma rotina, principalmente quando diz respeito à alimentação. Do mesmo modo, respeitam a hierarquia.
Logo de cara, são fechadas e até competitivas. Mas depois que você consegue ganhar a confiança deles, se tornam muito amigáveis, fiéis e abertos.

Como os outros tipos combinam com você:

Sangue A com A
Por ter o mesmo tipo sangüíneo, as duas pessoas se entendem. Só que ao mesmo tempo podem se desentender exatamente porque querem as mesmas coisas.
Sangue A com B
Os dois têm personalidades opostas e, por isso mesmo, se complementam. Pode ser um relacionamento estimulante, mas um precisa tentar entender o outro.
Sangue A com AB
As pessoas do tipo A se sentem que as de AB entendem seus sentimentos e pensamentos. Também se sentem seguras com a capacidade de raciocínio das ABs.
Sangue A com O
As pessoas do tipo A entendem bem as pessoas do tipo O e as complementam muito bem por serem atenciosas e precavidas.
Sangue B com B
Um compreende bem o outro. Só que, ao mesmo tempo, cada um gosta de fazer o que bem entende, e aí, pode surgir um conflito.
Sangue B com AB
As pessoas do tipo B são as que melhor conseguem entender os conflitos de AB e, por isso, as duas se sentem confortáveis juntas.
Sangue B com O
As pessoas do tipo O sabem valorizar as características de quem é tipo B. A dupla se dá muito bem.
Sangue AB com A
As pessoas do tipo A sentem que quem é do tipo AB entende seus sentimentos e pensamentos. A capacidade de raciocínio de AB transmite segurança a elas.
Sangue AB com AB
Compartilham os mesmos gostos e se entendem bem. Mas, como sempre querem as mesmas coisas, podem às vezes entram em conflito.
Sangue AB com O
São pessoas opostas que se complementam. Apesar de muito diferentes, se sentem atraídas uma pela outra. Se souberem fazer concessões, podem formar uma bela dupla.
Sangue O com AB
São dois opostos que se complementam. Apesar de muito diferentes, se sentem atraídos um pelo outro. Se souberem fazer concessões, podem formar uma bela dupla.
Sangue O com O
Se entendem bem e conseguem ficar bem juntas. Porém, como as duas gostam de poder, pode haver conflito.

9.18.2007

Segredos da Mente Milionária!

Segredos da mente milionária

Arquivo de riqueza nº 1 As pessoas ricas acreditam na seguinte idéia:"Eu crio a minha própria vida."As pessoas de mentalidade pobre acreditam na seguinte idéia: "Na minhavida, as coisas acontecem."

Arquivo de riqueza nº 2 As pessoas ricas entram no jogo do dinheiro para ganhar. As pessoas de mentalidade pobre entram no jogo do dinheiro para nãoperder.

Arquivo de riqueza nº 3 As pessoas ricas assumem o compromisso de serem ricas. As pessoas de mentalidade pobre gostariam de ser ricas.

Arquivo de riqueza nº 4 As pessoas ricas pensam grande. As pessoas de mentalidade pobre pensam pequeno.

Arquivo de riqueza nº 5 As pessoas ricas focalizam oportunidades. As pessoas de mentalidade pobre focalizam obstáculos.

Arquivo de riqueza nº 6 As pessoas ricas admiram outros indivíduos ricos e bem-sucedidos. As pessoas de mentalidade pobre guardam ressentimento de quem é rico ebem-sucedido.

Arquivo de riqueza nº 7 As pessoas ricas buscam a companhia de indivíduos positivos ebem-sucedidos. As pessoas de mentalidade pobre buscam a companhia de indivíduos negativos e fracassados.

Arquivo de riqueza nº8 As pessoas ricas gostam de se promover. As pessoas de mentalidade pobre não apreciam vendas nem autopromoção.

Arquivo de riqueza nº 9 As pessoas ricas são maiores do que os seus problemas. As pessoas de mentalidade pobre são menores do que os seus problemas.

Arquivo de riqueza nº 10 As pessoas ricas são excelentes recebedoras. As pessoas de mentalidade pobre são péssimas recebedoras.

Arquivo de riqueza nº 11 As pessoas ricas preferem ser remuneradas por seus resultados. As pessoas de mentalidade pobre preferem ser remuneradas pelo tempo que despendem.

Arquivo de riqueza nº 12 As pessoas ricas pensam: "Posso ter as duas coisas."As pessoas de mentalidade pobre pensam: "Posso ter uma coisa ou outra."

Arquivo de riqueza nº 13 As pessoas ricas focalizam o seu patrimônio líquido. As pessoas de mentalidade pobre focalizam o seu rendimento mensal.

9.12.2007

O Poder das Palavras!

O PODER DAS PALAVRAS
Os nossos pensamentos geram as nossas acções, são eles que nos ajudam a criar a realidade que pretendemos, através deles evidenciamos as nossas potencialidades ou as nossas limitações. Por isso se deve ter muito cuidado com o que dizemos ou escrevemos.

1.Utilize o Presente nunca o Condicional

O verbo utilizado no tempo presente fica mais forte e concreto.
“Eu estudaria” diga antes “Eu estudo”

2.Falar de desejos, mudanças que pretende para o futuro, deverá fazer sempre utilizando o verbo no presente.

Em vez de dizer: “ Vou fazer” diga “Eu faço”, ou, “Vou conseguir” diga “Eu consigo”

3.Falar de problemas, falar de algo negativo, independentemente de quem está a falar ou de que situação se refere, deverá utilizar sempre o verbo no passado.

“ Eu tinha más notas” – Isto pressupõe que já não as tens. Se utilizar o verbo no presente, continuará a te-las.

4.As palavras “Devo”, “Tenho que” ou “Preciso”

Fazem supor que algo exterior controla a sua vida.
Utilize antes, “Quero”, “Decido”, “Vou”.

5.A palavra “Se”, dá a ideia de indecisão, algo que não está definido, Substitua-a por “Quando”

“Se eu conseguir passar neste exame ...” diga antes “Quando eu passar neste exame.....”

6.A palavra “Espero”, dá a ideia de que não sabe se vai alcançar o que pretende, altere-a por “Sei” “Espero ter boa nota” diga antes “Sei que vou ter boa nota”

7.O “Não Posso” ou “Não Consigo”

São ideias de incapacidade.
Utilize antes, “Não quero”, “Não Podia” ou “Não Conseguia”, nestes casos já existe a pressuposição de poder, de conseguir obter o que pretende.

8.A palavra “NÃO”

Toda a frase ou pensamento que contenha a palavra “não”, traz à nossa mente tudo o que vem com ela. O “Não” só existe na linguagem que utilizamos, não na experiência. Se pensarmos na palavra não, a nossa mente não nos dá nada em concreto, não surge nada na nossa mente, no entanto, se pensarmos numa forma, por exemplo, quadrado, surge de imediato na mente consciente a forma quadrada, ou algo com essa forma.
Logo procure pensar no que pretende e não no que não querer.

9.A palavra “Mas”

Altere o “Mas” por “E”, o “Mas” nega tudo o que vem antes, ou seja:
“Eu sou inteligente, mas....” – Estamos a admitir que somos uma pessoa inteligente, no entanto, com o mas a seguir, tudo o que dissermos depois irá negar a afirmação que fizemos.

10.A palavra “Tentar”

Esta palavra faz supor uma possibilidade de falha. Substitua-a por “Fazer”
“Vou tentar lá estar amanha” – Existe nesta frase a hipótese de não ir, logo diga, “Vou lá estar amanha”

9.10.2007

Send Me An Angel

9.07.2007

Os Verdadeiros Herois Ignoram-se!

A grandeza de um homem pode ser medida pela sua
capacidade de serviço ao próximo, de humildade e de amor.

Os homens grandes chamam a atenção e projetam sombra,
mas os grandes homens, onde quer que se encontrem tornam-se
claridade inapagágel, apontando rumos libertadores.

Os verdadeiros heróis se ignoram, preocupados que vivem em
ajudar mais do que fazer a propaganda dos próprios atos.

Torna-te um deles, no silêncio das tuas realizações
e na grandeza da tua pequenez.

Extraído de "Vida feliz", de Joanna de Ângelis

9.04.2007

Mantra do dia!

MANTRA DO DIA:EXPANDINDO OS HORIZONTES
Ser peregrino
É acreditar na realização dos sonhos...
Encontrar os limites...
e supera-los...
Dar um passo de cada vez...
Rir quando alguém diz: é ali...
Ser profundo conhecedor de bolhas...
Valorizar o que se tem...
Ter o essencial e ser feliz com isso!
Adorar os amigos!
Principalmente se forem peregrinos...
Amar as estrelas...
Sair mesmo que chova torrencialmente...
Ser capaz de compreender quando alguém diz: não posso...
Dormir em qualquer lugar, e achar ótimo...
Comer o que está na mesa sem reclamar...
Ver a natureza com outros olhos..
Sempre vêr o pôr do sol e agradecer numa oração.
Encher os olhos de lágrimas quando ouve falar do Caminho.
Viver cada dia com alegria e prazer.
Ter a certeza que o pior sempre passa...
Acreditar que depois de uma montanha...
tem outra montanha...
Ter uma grande capacidade de aprender .....
improvisar...
e inventar....
A coragem de um peregrino contém em si mesma, o poder, o gênio e a magia”

Como Limpar Cds e Dvds riscados com casca de banana! Funciona



9.03.2007

Auto Análise!

Auto-análise
Há muita gente preocupada com o mal que os outros lhes possam fazer.
Transferem para o próximo a responsabilidade de seus insucessos e vivem descobrindo inimigos em toda parte, fugindo a uma auto-análise de indispensável lucidez.
Deambulam por caminhos de maldades e acusações.
Com tal conduta, fere, prejudicam, perturbam os outros e não se dão conta do mal a que se entregam e movimentam, desassisados.
O mal que reside em cada indivíduo, este sim, torna-o um homem mau, que, assim, se torna um elemento pernicioso no contexto social.
Extraído de "Vida feliz", de Joanna de Ângelis

9.01.2007

O nossso objectivo é a Perfeição!


Todos nos estamos fadados à
felicidade, à perfeição.




O caminho a percorrer é longo, às
vezes assinalado
pela urze ou entulhado pelos
calhaus.




Todavia, o roteiro é igual para
todos, porque ninguém

existe que seja considerado como
excessão.




Aqueles que encontram menos
dificuldades,

fazem jus às circunstâncias,
em razão do seu

comportamento em reencarnações passadas.




Os mais atribulados, da mesma
forma,

procedem dos seus atos
infelizes.




Desse modo, ganha a
distância evolutiva,

passo a passo, e alegra-te com o
destino

feliz que te aguarda e que
alcançarás.








Extraído de "Vida feliz", de Joanna de Ângelis